sexta-feira, 7 de julho de 2006

Afinidades que desafinam: O elefante mereceria mais respeito; deveria até ser alvo de admiração e inveja pela dimensão! Sem grande esforço observamos que perante a probóscide do gigantesco paquiderme, em nós nada encontramos que não nos assemelhe mais a um reles insecto díptero: ignorem-se os números para evitar o embaraço; não deve sequer ser usada a mesma escala para comparar grandeza(...s?). Almejemos então a algo exequível: a memória! Que bom seria ter memória idêntica à do paquiderme probóscideo.

Zonas há, no nosso país e alhures, onde hominídeos avessos à água (talvez porque, ao contrário do elefante, sejam maus nadadores), atingiram o estatuto de “paquiderme” dada a camada de cascão que os cobre por inteiro, os defende contra as agressões do meio, e vai também mantendo à distância todo e qualquer ser vivo com capacidades olfactivas. Ignorando a dimensão proboscídea, e tendo já conseguido um lugar honroso no restrito grupo dos paquidermes, os hominídeos procuram então adquirir memória semelhante àquela do animal que a cromática acusa cinzento.

Como resultado de tal esforço, o homínideo conclui que memória implica ter presente o passado. Surge assim o revivalismo que porém não identifica completamente presente com passado. Por exemplo: Antigamente o Mini tinha tal nome porque era o de um carro pequeno; o Volkswagen era o carro do povo porque Hitler desejava que fosse tão económico que o povo fosse capaz de o adquirir; e o Mercedes, que por norma era cinzento, era, também por norma, grande. Hoje o Mini é maior que alguns Mercedes, e o Volkswagen chega a custar mais do que alguns Mercedes.

Revivalismo é ter presente um passado defeituoso. No futuro a virtude consistirá em saber se o Mini era ou não mais pequeno do que um Mercedes, que então será um carro colorido por hominídeos cinzentos que nunca saberão porque raio alguém se lembrou de dar o nome de Volkswagen a um carro que poucos poderão ter. O Hitler era mesmo mau...por gozar assim com a gente!

1 comentário:

Anónimo disse...

És o maior!!! Sempre tiveste jeito para isto. Agora em Itália, vê se pões os
italianos a lerem o teu blog, e já sabes, podes demorar mas volta, a gente
precisa de ti!!! Um Abraço Amigo!

Júlio