segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Dizem que é proibido...que o sentido é proibido. Mas que motivo haverá então para proibir o sentido? Procurar a luz que ilumina todo o sentido é um motivo mas isso nunca poderia ser proibido. Fará isto algum sentido?

O sentido foi então proibido. As luzes nada iluminam e tudo permanece na escuridão. Tudo é permitido mas o sentido não. Que sentido faz tudo isto então?

A proibição visa eliminar toda e qualquer questão. Se o sentido for proibido então não se fará luz e não haverá razão. Que será possível fazer então?

A questão da proibição do sentido parece acabar com a razão ainda que sem motivo mas o motivo que afinal só limita a razão apenas faz sentido se der origem a qualquer questão. Será então proibido proibir a proibição?

1 comentário:

anaas disse...

Será então proibido proibir a proibição?

( eis a tua grande questão)

( penso, logo insisto) :):)

De tantas sinalécticas, de tantas regras...há uma que me faz pensar...

O ponto!!

Pequeno, e tão final como o sinal de proibição...

Mas... com uma constante que a proibição não tem... ou seja, a proibição... épura e dura... sem que haja lugar para dúvidas...

O ponto, que afinal, não é final, pauta-se pelo que juridicamente chamaríamos...lacunas... ou, estando sujeito a um olhar dos causídicos da nossa praça seria denominado como " o entendimento do juíz" ( até doi pensar nisto...) :):) acho esta a verdadeira lacuna...

Mas, distraio-me... voltemos ao ponto... O ponto final, o ponto de vista, o ponto da situação... o ponto de retorno, o ponto e vírgula, o ponto que quando acompanhado por dois... ui, dá pano para mangas... ganhar oos pontos...quem conta um conto aumenta um ponto! Bolas!!! E um conjunto de pontos que leva de uma ponta a outra?
Afinal? O que poderemos fazer para que um sinal de proibição seja afinal um ponto final????


:):):)

anaas