quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Precipitação líquida a da água da chuva; precipitações secas as nossas, que transpiram e que se condensam a partir dos vapores da excessiva concentração. Exaspero e desespero de mão dada vêem a chuva cair.

Entropia entupida leva-nos a lavar no bidé o que dantes se lavava na pia ou na bacia. Sem sabão esfregam-se os neurónios incitando processos criativos que nos fazem dançar sem par num equilíbrio precário.

Deslizando suavemente sem provocar grandes vagas deixa-se vago o lugar que nunca foi nosso, neste mundo precipitado onde, por caso ou acaso, precipitámos.

Este é um mundo ao contrário reflectido numa gota de água que nunca existiu. Concentrem-se, condensem-se e cansem-se...mas nunca desistam.

Sem comentários: