domingo, 20 de junho de 2010

Se me perguntarem como foi, eu minto: digo que foi um acidente cortar demasiado rente; digo que não correu bem como eu queria. “Foi-se a barba e ele também. Não levem a mal mas a barba até lhe estava bem.”.

Afinal só nós sabemos a verdade. Só que eu não quero e tu não podes contar. Ninguém vai desconfiar. Ninguém vai saber que há já muito tempo a tinhas perdido por mim…essa cabeça fora do lugar.

Gostava ainda de saber por que motivo duvidam de minha mãe que nunca te fez mal. Tão boa pessoa, Santa mulher. Merece lá o martírio das acusações e da ignomínia. Difamada por gentes de má fama a quem a água da tua concha não matou a sede nem lavou as línguas afiadas.

O meu Oscar Selvagem por uma interpretação irrepreensível; a tua cabeça numa bandeja com uma execução perfeita. Corte limpo: foste João, assino Salomé.