segunda-feira, 10 de junho de 2013

Passa-se a vida à espera, umas vezes com senha, outra vezes sem senha. Procura-se não olhar muito para o relógio nem para o tamanho da bicha. Umas vezes a espera é à direita, outras vezes a espera é à esquerda. Os ingleses não acreditam que conduzem do lado errado da estrada.

Dos cães e do que deles se espera? Apoiados em quatro patas, narizes frios e molhados, orelhas e olhos atentos, com uma cauda a servir de intérprete para as emoções. Keep calm and carry on. Os cães não foram feitos para voar.

A ruiva afinal é loura. Olha para mim como se fossemos amigos desde sempre. Não há reservas nem restrições. O lugar está marcado e não se aceitam devoluções. Correria para ficar ao meu lado se tal fosse preciso.

Não há escalas. As escadas não rolam e estão fora de serviço. O chão foi encerado e o pessoal espera por aviões que não sei bem para onde vão. O controlo é excessivo e eu nem saí do fuso do meridiano...só pode ser maldição de alguma bruxa verde.

Sem comentários: